Sèvres (dicionário)

Sèvres (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Manufacture Nationale de Sèvres, ou simplesmente Sèvres, é o nome de uma das mais importantes fabricantes de porcelana francesa. No início do século XVIII, mais precisamente no ano de 1738, é fundada a fábrica de Vincennes, com o suporte de Luís XV e de sua amante, a Madame de Pompadour, para competir com outras fabricantes, principalmente a alemã Meissen. Em 1756, a pedido de Pompadour, a fábrica é transferida para a cidade de Sèvres, para ficar próxima de seu Château. Das peças antigas, as mais características foram as de cor azul cobalto, com decoração em dourado e cenas galantes pintadas à mão. Mas também foram produzidas peças em outras cores, como o azul claro, o verde e o rosa, chamado de “rosa de Pompadour”. A porcelana era submetida a quatro cozimentos até o resultado final: o primeiro era realizado para a fixação da cor-base da peça; o segundo era para a fixação de um verniz de proteção; a terceira era para a fixação da decoração (pintura, desenhos) e o quarto e último cozimento era para as aplicações em ouro. Muitas peças recebiam ainda partes em bronze, como alças e suportes. As mais características são as ânforas e os vasos, mas as peças produzidas foram de grande variedade, como jogos de jantar, café, centros de mesa, castiçais, relógios e até mesmo móveis com partes de porcelana decorada.

Azinhavre ou zinabre (dicionário)

Azinhavre ou zinabre (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Azinhavre ou zinabre é o nome dado à camada de cor verde resultante da oxidação do cobre ou ligas que contêm cobre, como o latão ou o bronze. O azinhavre surge com a exposição ao ar (oxigênio), e forma uma camada esverdeada, que pode ser considerada como um tipo de pátina.

Trumeau ou tremô (dicionário)

Trumeau ou tremô (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Trumeau (tremô) é o nome de um espelho caracteristicamente vertical que foi criado na França no Século XVIII. A palavra francesa trumeau designa a parede que existe entre duas janelas, local onde era comum posicionar este tipo de espelho, com a finalidade de aumentar a luminosidade do ambiente. Existem dois tipos de trumeau: os que servem para pendurar na parede, e os que são móveis e apresentam um pequeno aparador com tampo e pés. Geralmente a parte superior é adornada com relevos ou outros elementos.

Azul borrão ou louça de borrão (dicionário)

Azul borrão ou louça de borrão (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES, Não fazem parte do nosso acervo!

Louça borrão, mais conhecida como azul borrão, é a denominação de peças inicialmente fabricadas na Inglaterra, que eram decoradas com cobalto e que tinham a aparência de estarem “borradas”. O cobalto é um metal de transição, que foi utilizado durante séculos por transmitir uma cor azul ao vidro e cerâmicas, o famoso azul cobalto. Foi muito utilizado pelos chineses desde o século XVI. Os ingleses, viajando para o Oriente, trouxeram de lá louças em branco e azul, que foram bem recebidas na Inglaterra, onde, no século XIX, começou a produção de peças que utilizam o cobalto. Sem conhecimento profundo sobre o material, as peças inglesas recebiam a decoração com cobalto antes da vitrificação, e durante o processo de queima no forno, o cobalto se infiltrava e o azul ultrapassava os limites do desenho, ficando com a aparência de borrado. As louças feitas com este processo de decoração, descoberto “por acidente”, caíram no gosto dos ingleses e logo se popularizaram por toda a Europa, sendo posteriormente importadas para outros lugares, como Estados Unidos e Brasil.

Mimeógrafo (dicionário)

Mimeógrafo (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Aparelho cujo método de impressão foi inventado em 1923 por Wilhelm Ritzerfeld e comumente utilizado para o resto do século XX. Um maiores componentes dos solventes usados como “tintas” nessas máquinas era o álcool. Também conhecido por duplicador a álcool.

Tiffany (dicionário)

Tiffany (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Tipo de luminária com mosaico de vidro projetada por Louis Comfort Tiffany e seu estúdio de design. Tiffany (1848-1933), foi um artista e empresário norte-americano, considerado um dos maiores nomes do movimento Art Nouveau. Devido à influência dominante do estilo de Tiffany, os termos “luminária Tiffany” ou ” luminária estilo Tiffany” têm sido frequentemente utilizados para referir-se à luminárias de vitral colorido de chumbo, mesmo aquelas que não foram feitas pela companhia de Louis Comfort Tiffany. A primeira luminária de Tiffany foi criada em torno de 1895. O sucesso da Tiffany em toda a Europa foi, em grande parte, devido ao sucesso de suas obras nos mercados alemães e austro-húngaros através de uma série de exposições a partir de 1897, como na Exposição Internacional de Arte em Dresden. O desenho das luminárias geralmente tem inspiração na Natureza: aparecem flores, libélulas, aranhas com teias, borboletas, penas de pavão, etc.

A Tiffany Company produziu não apenas luminárias, mas também vitrais, plafons, joias etc.

Marfim (dicionário)

Marfim (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Material branco-leitoso, translúcido a opaco, mais compacto que o osso, que forma a parte central das presas de animais, como o elefante e o hipopótamo. O material foi muito utilizado na antiguidade na confecção de joias, esculturas e diversos outros artefatos, incluindo religiosos. Abominada por pessoas sensíveis à preservação da vida e do meio ambiente, a prática do abate desses animais para este fim está proibida na maioria dos países e é considerada crime e causa a extinção dessas espécies.

Ver também criselefantino (a).

Canutilho, lustre de (dicionário)

Canutilho, lustre de (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Canutilho é o elemento de vidro (ou cristal) em formato de canudo (oco) e que foi empregado principalmente nos anos 40 e 50 para a confecção de lustres cujo efeito estético é bem peculiar e delicado.

Polyphon (dicionário)

Polyphon (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Tipo de caixa de música bastante rara. Consiste num dispositivo mecânico que foi primeiramente fabricado pela Polyphon Musikwerke,  localizado em Leipzig, Alemanha. Inventado em 1870, nesta caixa são encaixados discos metálicos (normalmente ficam de pé dentro da caixa) que giram no sentido horário e são movidos à manivela. A produção em larga escala começou por volta de 1897 e continuou até o início de 1900. Os polyphons foram exportados para todo mundo. O polyphon foi o antecessor do gramofone.

Ver vitrola

Ver eletrola

Gramofone (dicionário)

Gramofone (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Invenção do alemão Emil Berliner, em 1888 e que reproduz som gravado utilizando um disco plano: tipo de aparelho de som um disco giratório coberto com cobre, cera ou baquelite entre outros onde são gravadas por uma agulha, as vibrações de um som emitido e afunilado em uma corneta metálica, interligada a uma lâmina (membrana) que sustenta a agulha. Com a emissão do som o ar movimenta-se vibrando a lâmina que faz a agulha riscar em forma de ondas a superfície do disco que está girando. Os autênticos gramofones antigos são raros e muito procurados. A movimentação do disco é feito através de corda (à manivela). O gramofone é o antecessor da vitrola e sucessor do polyphon.

Ver também eletrola.