De acordo com a mitologia grega, as graças (Cárides) são as deusas (filhas de Zeus e Eunômia) que representam sentimentos e virtudes nobres como o encanto, a concórdia, a gratidão, a prosperidade familiar e a sorte. Em outra versão, elas são filhas de Zeus com Hera: são elas que espalham a alegria na natureza e no coração dos homens, e até no dos deuses. 

Dotadas de beleza ímpar, eram as três dançarinas (musas) das festas no Monte Olimpo e se tornaram símbolo da harmonia do mundo clássico. Atribui-se às Graças toda a espécie de influências nos trabalhos do espírito e nas obras de arte. Por isso são referenciadas pelas danças, corais e também pela música. Nas primeiras representações plásticas, elas apareciam vestidas. Posteriormente, entretanto, foram representadas como jovens desnudas e de mãos dadas. São representadas em grupos escultóricos ou em pinturas. Inspiraram obras célebres como “A primavera”, de Botticelli,  “As Três Graças”, de Rubens e a escultura de Antonio Canova.