Surgiu na Itália e atingiu o auge em 1620. De ar pomposo, com abuso de curvas e profusão de elementos decorativos (conchas, laçarotes e guirlandas de flores), conquistou a Europa, principalmente os Países Baixos. Uma versão menos exuberante, mais classicista, originou o estilo Luís XIV. Na Inglaterra, chegou tarde pela França e Holanda, sob os reinados de Guilherme e Maria e Rainha Ana. No governo da rainha inglesa (1702-1714), a simplicidade imperou, mas o período é considerado como extensão do barroco. Neste estilo, há a predominância da emoção, e não da razão e o acentuado contraste de tons claros e escuros. A temática era variada, mas com predomínio de temas religiosos, mitológicos e retratos. Na arte religiosa, está bem retrata a angústia diante do pecado e da necessidade do perdão divino.

O estilo barroco chegou no Brasil tardiamente, no final do século XVII, tendo seu apogeu no século seguinte. Um dos maiores expoentes brasileiros foi Aleijadinho.

“Barroco” vem do espanhol e significa “pérolas irregulares”.