O termo, de origem grega, significa imagem sacra, artisticamente trabalhada em plano único. Isto é, sem perspectiva. Características do Império Bizantino, os ícones encontraram grande desenvolvimento na Grécia e na Rússia, possuindo alto valor.