A louça ágata apareceu no mercado nacional como uma alternativa mais econômica às caras e pesadas panelas de ferro de modelos importados. A base da peça é em ferro, que recebe uma camada de esmalte e que, depois de queimada em alta temperatura, adquire o aspecto vitrificado (esmaltado).

Encontram-se bules antigos, açucareiros, panelas, bacias, jarras, tarros etc em cores variadas: brancas ou coloridas. Alguns utensílios de cozinha recebiam decoração (pintura) singela quase sempre floral. Raramente vemos pássaros ou outros motivos. Estas peças decoradas precisavam ir ao forno, portanto, duas vezes. Primeiramente para a primeira pintura (base) e depois para queimar e fixar a decoração.

A camada de esmalte que reveste o metal, além de decorativa, também facilita a limpeza (lavagem). Por isso foram fabricados também fogões em louça ágata. Com o uso (aquecimento e resfriamento) ou quedas acidentais, o esmalte às vezes se rompe e a peça adquire características bem próprias: aparece a base preta do metal onde a louça “descascou ou trincou”. A fabricação de louça ágata continua modernamente, mas não segue os mesmos padrões de antigamente.