Eletrola

Tipo de aparelho de som para tocar discos de baquelite ou vinil. Consiste de uma caixa que acomoda o prato circular, que gira no sentido horário e que é acionado por energia elétrica (daí o nome ELETRola). Este aparelho sucedeu a vitrola e foi o antecessor do toca-discos (LPs).  No centro da caixa há um pino central onde se encaixa o disco. Para se ouvir o disco, desde o início, a agulha é colocada na borda externa do disco. Os MÓVEIS ELETROLA combinam a eletrola e rádio e foram muito comuns nos anos 40 e 50.

Ver vitrola

Ver gramofone

Email Ombrant

Imagem gravada ou estampada em cerâmica e coberta com um esmalte transparente ou de cor translúcida. O esmalte se deposita na peça e com as diferentes profundidades do desenho acaba por dar à imagem uma aparência de sombreada. “Ombre” é sombra em francês, e “email” é esmalte.

OBS: não confundir com e-mail (eletronic mail = correio eletrônico) do INGLÊS!

ESBERARD, vidros

A fábrica de vidros ESBERARD foi fundada no Brasil em 1878, pelo FRANCÊS Francisco Maria ESBERARD, em São Cristóvão, no Rio de Janeiro. A empresa copiou, através de moldes trazidos da Europa, tulipas, pratos, galinhas de vidro – utilizadas como mantegueiras, copos, garrafas, frascos, lustres, compoteiras etc. Estes objetos eram feitos em vidro branco, azul, verde, vermelho e em materiais “dourados” (carnival glass / amberina / vidro fogo). A empresa encerrou as atividades nos anos 20, em virtude de um incêndio na fábrica, provocado pelos fornos. Algumas peças têm a marca em alto-relevo: ESBERARD. A fábrica de vidros Esberard esteve ativa até cerca de 1940.

Escarradeira, salivadeira ou cuspideira

Vaso onde se escarra, cospe, saliva. Objeto incomum que caiu em desuso e era de uso comum no século XIX e início do século XX. O escarro cai para dentro do recipiente num orifício central (em cima). Para retirar o escarro do vaso (limpeza), existem orifícios laterais. A maioria das escarradeiras foram ricamente decoradas e pintadas a mão sendo fabricadas, inclusive, por importantes manufaturas, como a de Limoges (França). Era, inclusive, utilizado como acessório junto às mesas de jantar para os convidados cuspirem ou fazerem bochecho após as refeições.

Espaldar

É o encosto da cadeira ou poltrona. Antigamente as cadeiras tinham espaldares em ângulo reto (90  graus) ou quase reto. Modernamente as cadeiras tem formato mais anatômico, mas que nem sempre traduz em saúde para a coluna (cervical e lombar).

Espevitadeira

Instrumento (quase sempre em prata de lei) em forma de TESOURA (geralmente sobreposta sobre uma bandeija) que serve para cortar a parte queimada do pavio de velas e candeieiros de bico. Esse procedimento faz com que a chama fique mais viva. Uma das lâminas dessa tesoura curiosa contém um recipiente retangular onde o pavio queimado fica depositado quando aparado pelo instrumento.

Espuma do mar ou sepiolita

A sepiolita é um mineral de cor branca e textura macia, que foi e ainda é utilizado principalmente para o fabrico de cachimbos. Devido à sua baixa densidade e alta porosidade, a sepiolita pode flutuar na água. Às vezes é encontrada flutuando nas águas do Mar Negro,  entre a Ásia e a Europa, o que lhe rendeu o nome popular de espuma do mar. O primeiro registro do uso da espuma do mar para o fabrico de cachimbos foi em torno de 1723, rapidamente se tornando muito valorizada devido à sua natureza porosa, resistência ao calor e retenção de umidade. Os cachimbos antigos geralmente apresentam belas esculturas. Com o uso constante, a espuma do mar escurece com a absorção do tabaco e outras substâncias do fumo, tornando-se amarelada e podendo assim ser confundida com o marfim ou o âmbar fosco.

Estanho

Metal cinza-claro mais duro e mais leve que o chumbo, já era mencionado nos tempos bíblicos: é um dos metais mais antigos conhecidos. O estanho é maleável em baixas temperaturas porém é frágil quando aquecido. É usado para produzir diversas ligas metálicas utilizados para recobrir outros metais para protegê-los da corrosão. No final do reinado de Luiz XIV a escassez de prata faz surgir na mesa de grandes senhores a baixela de estanho. As “MEDIDAS” ou canecas de estanho sempre foram utilizados para medir a quantidade de bebidas. No período vitoriano (século XIX) eram usados, apenas pelas classes operárias (bules, jarros, castiçais, pratos etc). Mais tarde, no movimento Arts & Crafs volta a ter prestígio, sendo utilizados como objetos de arte e utilitários. No período Art Nouveau ganha ainda mais força. Aparecem guarnições em estanho inclusive na famosa cristaleira francesa de Baccarat.

Estereoscópio

Instrumento inventado pelo físico Charles Weatstone (em 1938) destinado a observar, através de objetiva binocular,  pares de fotografias ou imagens resultando numa impressão mental de relevo ou visão 3D (tridimensional). Na sua construção são utilizadas lentes, espelhos e prismas.