Estilo Colonial (brasileiro) – dicionário

Estilo Colonial (brasileiro) – dicionário

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Correspondente ao Barroco europeu e ao emprego de madeiras nobres, como o jacarandá.

Brasil-Colônia (de Portugal): inicia no período  do reinado de Dom João V (final do século XVII), Nesta época,  a decoração do mobiliário sofre significativa influência do estilo inglês, devido à estrita relação de amizade política entre as duas nações. Posteriormente, no reinado de Dom José I, a influência ma movelaria é do gosto francês.

O período chamado “Estilo Colonial” finaliza com D. Maria I, no início do século XIX.

ATENÇÃO:> ver “estilo colonial (alemão e italiano)

Estilo Biedermeier (dicionário)

Estilo Biedermeier (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Estilo que tornou-se popular na Alemanha e na Áustria entre 1820-1840. O nome vem de um personagem de Ludwig Eichrodt que representava a burguesia alemã no começo do século XIX. Os móveis biedermeier são simples, robustos e confortáveis, geralmente de madeiras claras, elegantes sem maiores pretensões.

Estilo Barroco (dicionário)

Estilo Barroco (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Surgiu na Itália e atingiu o auge em 1620. De ar pomposo, com abuso de curvas e profusão de elementos decorativos (conchas, laçarotes e guirlandas de flores), conquistou a Europa, principalmente os Países Baixos. Uma versão menos exuberante, mais classicista, originou o estilo Luís XIV. Na Inglaterra, chegou tarde pela França e Holanda, sob os reinados de Guilherme e Maria e Rainha Ana. No governo da rainha inglesa (1702-1714), a simplicidade imperou, mas o período é considerado como extensão do barroco. Neste estilo, há a predominância da emoção, e não da razão e o acentuado contraste de tons claros e escuros. A temática era variada, mas com predomínio de temas religiosos, mitológicos e retratos. Na arte religiosa, está bem retrata a angústia diante do pecado e da necessidade do perdão divino.

O estilo barroco chegou no Brasil tardiamente, no final do século XVII, tendo seu apogeu no século seguinte. Um dos maiores expoentes brasileiros foi Aleijadinho.

“Barroco” vem do espanhol e significa “pérolas irregulares”.

 

Criselefantino(a) – dicionário

Criselefantino(a) – dicionário

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

O termo ‘criselefantino’ é utilizado para designar um estilo belíssimo de esculturas, principalmente do estilo ‘art nouveau e art decó’ desde o final do século XIX , com auge entre 1925 e 1935. Neste contexto são estatuetas com o corpo (mãos, braços, pernas, rostos) em marfim, roupas e olhos em detalhes variados de outros materiais e entalhes bronze, mármore, prata, ônix e até ouro. Grande destaque a Demétre Haralamb Chiparus (16 Set 1886 – 22 Jan 1947)

No entanto, na Grécia Antiga, o criselefantino era o termo técnico dado a um determinado tipo de escultura (ou imagem) de culto que teve um grande prestígio. As estátuas criselefantinas eram construídas sob um marco de madeira que recebiam finos blocos talhados de marfim representando ‘o corpo humano, parte física’ e o ouro que representava as vestes, a armadura, o cabelo e outros detalhes. Em alguns casos de usava-se cristais, pedras preciosas e semipreciosas para detalhes como os olhos, as joias e as armas (ou armaduras). E devido ao altíssimo valor de alguns dos materiais e à natureza não-perecível no tempo, a maioria das estátuas criselefantinas foi destruída na antiguidade e na idade média.

Estilo Art Nouveau ou Belle Epoche ou Arte Nova (dicionário)

Estilo Art Nouveau ou Belle Epoche ou Arte Nova (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Re-interpretação dos estilos Luís XV e Luís XVI. Surgiu na Inglaterra em 1888, mas foi na França onde mais destacou. A decoração é inspirada na flora e nos insetos (mariposas, libélulas). A figura da mulher (sensual e erótica) é o grande destaque que aparece com frequência em forma de ninfas aladas. As linhas são assimétricas e lembram as velas de um barco ou a chama de uma vela: de um lado as linhas são largas, espessas e de outro, finas, estreitas. Destaques: metais WMF, desenhista Luis Masiera, Luminárias Tiffany, Emile Gallé.

Estilo Art Decó (dicionário)

Estilo Art Decó (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Art Déco foi um movimento que se manifestou na arquitetura, nas artes plásticas, que surge na década de 1920 e ganha força nos anos 30 na Europa e nas Américas. Representa a adaptação pela sociedade de massa dos princípios do cubismo. Edifícios, esculturas, jóias, luminárias e móveis são geometrizados. Mesmo quando feitos com bases simples, como concreto armado e compensado de madeira, ganham ornamentos de bronze, mármore, prata, marfim e outros materiais nobres. Diferentemente da Art Nouveau, mais rebuscada, a Arte Déco tem mais simplicidade de estilo. O movimento deve seu nome à Exposição Internacional de Artes Decorativas e Industriais Modernas (em francês: Exposition Internationale des Arts Décoratifs et Industriels Modernes), realizada em Paris, em 1925. Na mostra, nus femininos, animais e folhagens são apresentados em cores discretas, traços sintéticos, formas estilizadas ou geométricas. Muitas peças exibem marcas de civilizações antigas – especialmente a egípcia. Em New York, os prédios da Crysler e o Empire State são marcos do estilo art decó.

Espevitadeira (dicionário)

Espevitadeira (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Instrumento (quase sempre em prata de lei) em forma de TESOURA (geralmente sobreposta sobre uma bandeja) que serve para cortar a parte queimada do pavio de velas e candeeiros de bico. Esse procedimento faz com que a chama fique mais viva. Uma das lâminas dessa tesoura curiosa contém um recipiente retangular onde o pavio queimado fica depositado quando aparado pelo instrumento.

Escarradeira, salivadeira ou cuspideira (dicionário)

Escarradeira, salivadeira ou cuspideira (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Vaso onde se escarra, cospe, saliva. Objeto incomum que caiu em desuso e era de uso comum no século XIX e início do século XX. O escarro cai para dentro do recipiente num orifício central (em cima). Para retirar o escarro do vaso (limpeza), existem orifícios laterais. A maioria das escarradeiras foram ricamente decoradas e pintadas a mão sendo fabricadas, inclusive, por importantes manufaturas, como a de Limoges (França). Era, inclusive, utilizado como acessório junto às mesas de jantar para os convidados cuspirem ou fazerem bochecho após as refeições.

Ébano (dicionário)

Ébano (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Ébano é a designação comum às árvores do gênero Diospyros, em particular as pertencentes à espécie Diospyros ebenum. Estas árvores produzem uma madeira nobre e na maior parte das vezes muito escura e densa. De origem africana é rara e muito dura. É muito utilizada na fabricação de mobiliário, instrumentos musicais e objetos decorativos, peças de xadrez, etc.