Falsificação

Falsificação

É o objeto ou móvel confeccionado com más intenções, de enganar, ludibriar, tirar vantagem. Fazem-se réplicas (imitações) de peças antigas e falsificam, fazendo-as passar por antiguidades, para valorizarem. Comerciantes com esse tipo de atitude reprovável usam da boa fé dos clientes para tirarem proveito de uma venda que é um engodo. As falsificações de antiguidades existem e cada vez mais infestam o mercado mundial. Algumas falsificações podem ser encontradas, infelizmente, até em museus. CUIDADO: em arte sacra (santos), costumam-se enterrar (por algum tempo) as estatuetas e até urinar sobre a terra para que ela adquira uma FALSA pátina “do tempo”. Já observamos até “buracos de cupim” em tampos de mesa, criados artificialmente.

Ver também Reprodução ou Cópia.

Faiança Falante (dicionário)

Faiança Falante (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

“Le Faiance Parlant”: são pratos e objetos de faiança que apresentam frases divertidas, provérbios ou lemas. Exemplo: “Liberdade Igualdade e Fraternidade”.

Faiança (dicionário)

Faiança (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

faiança é uma forma de cerâmica branca (barro vidrado e decorado), que possui uma massa  menos rica em caulim do que a porcelana. Por isso, está associada às argilas mais plásticas. São massas porosas de coloração branca ou marfim e precisam de posterior vitrificação. Os produtos de faiança são compostos de massas semelhantes ao grês (matérias-primas menos puras). As peças de faiança são fabricadas a temperaturas inferiores a 1250 °C.  Caracterizam-se pela menor resistência do que as porcelanas e o grês. Seus produtos incluem aparelhos de jantar, aparelhos de chá, xícaras e canecas, peças decorativas etc.

Ver “Cerâmica

Étagère ou Etager (dicionário)

Étagère ou Etager (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Tipo de móvel decorativo para sala de jantar constituída de prateleiras que serve também de aparador para objetos, serviço de mesa, livros, bibelôs etc. Pode ter gavetas, portas e espelho. É usado em residências, empresas ou lojas para armazenar objetos. Geralmente é feita de materiais nobres.

Estilo Rainha Ana (dicionário)

Estilo Rainha Ana (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Inglaterra (1702 a 1714). Sucede o estilo Barroco. As linhas dos móveis são, porém, menos maciça. Os pés das mesas e cadeiras passam a ser em cabriolé: As pernas com “joelho” curvado para fora e “tornozelo” curvado para dentro. As patas representam garras segurando uma esfera. Mesas de cartas e de jogos foram elaboradas, seguindo o estilo Rainha Ana e se popularizaram em meados do século XVIII em residências e casas de diversão. As mesas e bancos tem 3 pernas, Foram criadas também mesas em meia-lua, para serem colocadas rente à parede.

Estilo Luís XV (dicionário)

Estilo Luís XV (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Estilo que ficou em evidência de 1723 a 1770, na França. Também conhecido por estilo rococó. Abandona as formas severas e monumentais. As linhas retas dos móveis do estilo Luiz XIV são substituídas pelas linhas sinuosas das conchas, flores em cestos, cascatas de água. A bronzeria é amplamente utilizada nos móveis, que agora têm pequenas dimensões. Os elementos dourados continuam em evidência. A marqueteria passa a ser colorida em forma de ramos, flores e troféus na frente de cômodas e tampos de mesas. A laca é muito empregada. As pernas dos móveis terminam em linhas arredondadas e aplicações em bronze.

Estilo Luís XIV (dicionário)

Estilo Luís XIV (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Período do Rei-Sol, da França. Os móveis desse período têm inspiração na Antiguidade clássica: couraças, escudos, cornucópias, esfiges, grifos, cavalos alados, águias, golfinhos, leões, liras e cítaras e possuem também símbolos da monarquia francesa: coroas, cetros, lírios emoldurados por palmas, coroas de louros e conchas. Não faltam elementos extraídos da arquitetura clássica: balaustres, cariátides, medalhões e pilastras. Materiais utilizados: os mais suntuosos possíveis, abusando das marqueterias em bronze e prata, casco de tartaruga, incrustrações em osso e madrepérola que formam embutidos em madeiras preciosas. Os móveis têm aspecto compacto e maciço. Quase arquitetônico. Charles Boulle foi um dos mais importantes ebanistas desse período. (abaixo: gabinete desenhado por Charles Boulle para o Rei-Sol).

Gueridón (dicionário)

Gueridón (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Tipo de mesa pequena de apoio (lateral) e de formato arrendondado. Normalmente possui um tampo de mármore e pode conter um único pé central. Há modelos constituídos de quatro pés, e às vezes com um segundo tampo (prateleira) mais abaixo. Os modelos franceses e ingleses têm a decoração muito rica em bronze, marqueterie e parqueterie.

Bricabraque (dicionário)

Bricabraque (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

É o estabelecimento comercial de compra e venda de móveis e objetos usados (de brique); brique, casa de belchior… Pode ser também o conjunto de objetos usados (roupas, móveis, enfeites etc.), de proveniências e épocas várias.

Retrô (dicionário)

Retrô (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Retrô significa “para trás”. Em resumo, é uma releitura do passado, uma retrospectiva daquilo que já foi visto há alguns anos. É um produto ou peça lançada atualmente mas que tem aparência de antiga: uma releitura perfeita de estilo passado.

Ver VINTAGE