Sinete (dicionário)

Sinete (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Pequeno objeto de metal como ouro ou prata (tipo coluna ou anel) usado como “assinatura do proprietário e/ou responsável” para selar, lacras e autenticar documentos e cartas. Após a assinatura, a impressão é feita com um pouco de cera que é derramada sobre o papel no qual é pressionado o com o sinete, deixando um desenho pessoal, como um brasão ou um símbolo. Nos séculos XVI e XVII os sinetes foram amplamente utilizados.

Torso (dicionário)

Torso (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Escultura que representa o corpo humano sem cabeça e sem os membros. Conjunto constituído pelas espáduas, pelo tórax e pela parte superior do abdome.

Velocípede (dicionário)

Velocípede (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Antiga bicicleta de duas rodas do século XIX, sendo a traseira muito inferior à dianteira. Estão interligadas por um tubo metálico arqueado sobre o qual assenta o selim de couro. O guiador, bastante largo e contra-curvado, liga-se aos pedais por meio de dois tubos verticais paralelos. O termo foi cunhado pelo francês Joseph Niépce em 1818 para descrever sua versão do Laufmaschine, que foi inventado pelo alemão Karl Drais, em 1817. Atualmente, o termo “velocípede” se utiliza para descrever os principais tipos de veículo de tração humana como monociclo, bicicleta, triciclo e quadriciclo.

Estilo Provençal (dicionário)

Estilo Provençal (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Estilo de decoração de influência francesa, proveniente da região de Provença – sul da França. Essa região ensolarada composta por pequenos vilarejos se localiza entre as montanhas e o mar e é conhecida por seus campos de lavanda e girassóis mas sobretudo por preservar ainda hoje as características da vida campestre de um passado longínquo. Os móveis no estilo provençal apesar de terem como inspiração os refinados móveis estilo Luís XV e Luís XVI recebiam entalhes mais simplificados e eram feitos de madeiras da região, recebendo uma pátina em cores claras, a fim de camuflar pequenas falhas. Estas peças com pintura em tonalidades claras esmaecidas e levemente desgastadas foram assimiladas por grande parte das pessoas, que logo passaram a reciclar peças antigas, adequando-as ao estilo. O estilo de decoração provençal portanto, usa tons pálidos, muita madeira, pátina e estampas delicadas. A decoração remete a uma atmosfera bucólica, com ares campestres, leves, e cores muito suaves com predominância do branco.

Rádica (dicionário)

Rádica (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Técnica de marcenaria que se utiliza  da raiz de árvore nobre (nogueira, imbuia, pinho-de-riga etc.) em trabalhos manuais. Deformações em formas de esféricas aparecem das bases dessas árvores: os nós e veios ficam ressaltados. O material é utilizado especialmente para dar acabamento diferenciado em móveis.

Penico ou urinol (dicionário)

Penico ou urinol (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Recipiente em formato arredondado e achatado que era mantido nos quartos sob a cama (ou dentro de criados-mudos que serviam como “vaso sanitário” exclusivamente para urinar. Os penicos podem ser confeccionados em ferro, louça ágata, porcelana, louça e, mais modernamente, em plástico. Quase todos possuem uma alça (ou pegador). Penicos antigos eram fabricados também com tampa e podiam ser amplamente decorados. Há pessoas que confundem os urinóis com sopeiras ou grandes xícaras.

Estilo Veneziano (dicionário)

Estilo Veneziano (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Veneza, por sua privilegiada localização entre o Ocidente e o Oriente, foi herdeira da cultura Bizantina e ocultou, o quanto possível, o segredo da fabricação do vidro. Na idade média (a partir de 1292) os vidreiros eram proibidos de sair da ilha de Murano: local onde floresciam as noivas ideias que deram origem a uma indústria  que unia beleza, utilidade e arte e perfeições jamais antes imaginadas por outros centros europeus. Os artigos venezianos são delicadamente adornados e leves com presença intensa de decoração floral em esmalte branco (ou colorido) sobre taças, fruteiras, jarros e bacias de vidro que recebiam também decoração em ouro. O resultado é um pouco extravagante, mas de beleza ímpar. As fábricas venezianas atingiram seu auge no século XVI. Apesar dos esforços por manter o segredo do fabrico dos vidros, as técnicas venezianas saíram dos estreitos limites da Ilha de Murano e expandiram-se a outros países, especialmente à Bohemia, França e Alemanha. Os espelhos venezianos têm características bem peculiares e fáceis de se identificar: um espelho grande (central) bisotê que recebe decoração em toda a sua borda com fragmentos bisotados de espelhos menores que formam uma espécie de mosaico. Delicadas flores de vidro compõem e dão acabamento ao espelho veneziano. O valor artístico dos espelhos venezianos é tão grande que, atualmente, as peças originais são encontradas em castelos e museus – incluindo o Louvre, da Paris.

Estilo Vitoriano (dicionário)

Estilo Vitoriano (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Estilo inglês decorrente do reinado e gosto específico da Rainha Vitória (1837 a 1901). Retrata a assimilação de vários outros estilos já existentes mas recebeu grande influência do neogótico, do neo-renascimento, barroco e neoclássico. No mobiliário, a principal influência foi do estilo Luís XV. Os móveis são pesados, robustos e austeros. As madeiras mais utilizadas foram a nogueira, jacarandá, ébano e mogno. O uso de “chintz” (tecidos de algodão resistentes e lustrosos com decoração floral) quebra a austeridade do estilo vitoriano em poltronas estilo bergér que podem ser entalhadas ou não. O capitoné foi amplamente utilizado. As pernas dos móveis (mesas, cadeiras, poltronas), lembram o estilo Luís XV, mas sem douração e sem metais. Fortemente influenciados por motivos religiosos, e inspirados na escola gótica, estas peças apostam na simetria como forma de simbolizar a perfeição divina. O foco é no cuidado com o homem, por isso a atenção ao conforto e à maciez do móvel, que além de tudo deve destacar a presença humana que o ocupa. Havia poltronas bergér masculinas e femininas. As masculinas eram largas, espaçosas e com braços que acompanhavam toda a largura da poltrona. Já as femininas tinham os braços curtos para que a mulher pudesse sentar-se confortavelmente, acomodar e exibir seu longo e detalhado vestido que ficava naturalmente exposto sobre a poltrona.

Louça trigo (dicionário)

Louça trigo (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Tipo de louça que se caracteriza pela brancura das peças: nenhuma outra cor é utilizada na decoração que é constituída tão somente de ramos de trigo em baixo-relevo. Aparecem açucareiros, xícaras, bules, leiteiras, terrinas, pratos, travessas e até urinóis. Normalmente a  louça trigo era fabricado pela empresa inglesa Johnson Bross, mas também encontramos exemplares nacionais neste tipo de louça.

Caneta de pena ou caneta pena (dicionário)

Caneta de pena ou caneta pena (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES.  Não fazem parte do nosso acervo!

Antigamente as penas de aves faziam as vezes de canetas: a ponta da pena era mergulhada na tinta para escrever. Posteriormente uma ponteira metálica em forma de pena foi adaptada à pena (ou caneta) para facilitar a escrita, conferindo-lhe um aspecto mais preciso. As canetas de pena antigas, portanto, NÃO POSSUEM um reservatório (em seu interior) para armazenamento da tinta, diferentemente da caneta-tinteiro.