Corbel (dicionário)

Corbel (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Arquitetura: corbel (ou console) é uma peça estrutural de pedra, madeira ou metal que se projeta de uma parede para em forma de suporte. O corbel é um pedaço sólido de material na parede, enquanto um console é uma peça aplicada à estrutura.

Cloisoné (dicionário)

Cloisoné (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Cloisoné é uma técnica de decoração onde é criado um desenho com bordas de metal (solda de prata, fios de ouro ou outros) formando “compartimentos” (os “cloisons” em francês), que são preenchidos por esmalte colorido. Foram e continuam sendo fabricadas peças como vasos, caixas e joias.

Charão (dicionário)

Charão (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Aplicação repetida de várias camadas da seiva da árvore Rhus vernicifera sobre a madeira ou papel machê, o que resulta numa superfície dura, brilhante e decorativa. Os charões mais bonitos podem ter recebido até mais de 20 camadas de laca, o que torna o processo caro e demorado. A superfície final é polida. (ver também laca)

Cerâmica (dicionário)

Cerâmica (dicionário)

Fotos meramente ilustrativas no nosso DICIONÁRIO DE ANTIGUIDADES. Não fazem parte do nosso acervo!

Os objetos cerâmicos podem ser produzidos através da mistura de duas ou mais  ARGILAS  que, quando misturadas, irão adquirir uma característica própria e formarão a massa cerâmica. Porém, desde que sejam compatíveis entre si, as argilas ou massas cerâmicas podem ser utilizadas juntas para a execução de um mesmo corpo cerâmico. Há misturas com argilas de tons diferentes o que possibilita belos efeitos. Além das argilas existem outros materiais cerâmicos que, misturados às argilas, produzem as chamadas massas ou pastas cerâmicas. Alguns são adicionados como anti-plásticos e outros como fundentes. Os anti-plásticos reduzem o encolhimento das argilas quando secam, enquanto os fundentes abaixam a temperatura de vitrificação destas. Às massas cerâmicas pode-se adicionar Bentonite, Caulim, Carbonato de Cálcio, Quartzo, Dolomita, Feldspato, Talco e Chamote. Esses produtos são transformados pela ação do fogo e as temperaturas de cozimento variam de 900°C a 1000°C. As massas cerâmicas podem ser classificadas de maneira geral em dois grandes grupos: no primeiro estão as porosas (não vitrificadas). No segundo grupo, as vitrificadas. São compostas por diferentes argilas e outros materiais cerâmicos.

  1. PORCELANA – Composição: argilas brancas (de 30 a 65% de caulim)  + 20% a 40% de feldspato + 15 a 25% de quartzo. Há variações quando se fala de porcelanas especiais como as produzidas pela Manufatura Nacional de Sèvres, na França.
  2. LOUÇA – Composição: Granito, Pó de Pedra, Majólica ou Faiança são denominações especiais que caracterizam determinadas produções. A massa da louça é menos rica em caulim do que a porcelana e é associada a argilas mais plásticas, mais porosas e, portanto, mais frágeis às variações de temperaturas. São massas mais pesadas e de coloração branca ou marfim e precisam de posterior vitrificação. São mais frágeis e suscetíveis ao craquelê, fios de cabelo, trincas.
  3. GRÊS – Massa que queima alto como a porcelana e igualmente dura. Em sua composição não entram argilas tão brancas ou puras como na porcelana o que apresenta possibilidades de coloração avermelhada, branca, cinza, preto, etc. Depois de queimadas são impermeáveis, vitrificadas e opacas. A temperatura de queima vai de 1150°C a 1300°C.
  4. TERRACOTA ou ARGILA VERMELHA – Popularmente conhecida como barro. De grande plasticidade e em sua composição entram uma ou mais variedades de argilas. Produzidas sem tanta preocupação com seu estado de pureza, quando queimadas no máximo até 1100°C adquirem colorações que vão do creme aos tons avermelhados, o que mostra o maior ou menor grau da porcentagem de óxido de ferro. Formadas por argilas ferruginosas.
  5. FAIANÇA: forma de cerâmica branca (barro vidrado e decorado), que possui uma massa  menos rica em caulim do que a porcelana. Por isso, está associada às argilas mais plásticas. São massas porosas de coloração branca ou marfim e precisam de posterior vitrificação. Os produtos de faiança são compostos de massas semelhantes ao grês (matérias-primas menos puras). As peças de faiança são fabricadas a temperaturas inferiores a 1250 °C.  Caracterizam-se pela menor resistência do que as porcelanas e o grês. Seus produtos incluem aparelhos de jantar, aparelhos de chá, xícaras e canecas, peças decorativas etc.
  6. MAJÓLICA (do nome Maiorca, importante centro de produção hispano-árabe) é um tipo de cerâmica que surgiu na Itália logo após o Renascimento (entre os séculos XVI e XVII). Após o primeiro cozimento da cerâmica, a superfície (branca) é banhada por esmalte estanífero (óxido de estanho, óxido de chumbo, areia rica em quartzo, sal e soda), que deixa a superfície vidrada: uma coloração branca translúcida na qual é possível aplicar diretamente pigmentos solúveis de óxidos metálicos em cinco escalas de cor: azul cobalto, verde, castanho, amarelo e vermelho. Os pigmentos são imediatamente absorvidos, o que elimina qualquer possibilidade de correção da pintura. A peça é então recolocada no forno com temperatura mínima de 850ºC para o acabamento final e a definitiva fixação das cores. O resultado são cores vivas, vitrificação, brilho intenso e impermeabilidade. A majólica veio revolucionar a produção do azulejo pois permite a pintura direta sobre a peça já vidrada.
  7. Biscuit (ANTIGO): tipo de cerâmica que foi ao forno, mas sem vitrificação ou aplicação de esmalte. Por sua natureza porosa, a cerâmica biscuit absorve água. A temperatura de queima de biscuit é geralmente de pelo menos 1000 ° C, embora temperaturas mais altas também são comuns.  A queima da peça provoca alterações físicas e químicas permanentes e que resulta num artigo muito mais duro e mais resistente, o qual ainda pode ser poroso.